Uma coisa eu aprendi: você pode até ser legal com as pessoas, mas não espere que as pessoas sejam legais com você(...)De vez em quando, sofro horrores. Me decepciono, fico frustrada, chocada, com medo. Mas continuo mantendo a minha essência, sendo boa com quem é bom.Clarissa Corrêa.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Passagem

Realmente, eu odeio fim de ano, sem exceções. Reconheço que odiar é uma palavra forte, então vamos mudar isso... Eu detesto o fim de ano. Todos eles são feitos de sensações que eu não gosto de sentir. Sensações que eu poderia adiar só para janeiro ou fevereiro, mas não, eu insisto em pensar nelas desde novembro e então passo os dias num martírio dentro de mim mesmo. Onde eu nunca sei o que fazer, nunca sei o que pensar, aliás eu sei o que pensar e penso muito, mas em coisas que não são necessárias e que me fazem querer não existir. Prefiro não compartilha-las.Quando chega dezembro é hora de pensar no ano que passou e rever o que aconteceu, outra tragédia para mim, porque sempre me lembro de coisas ruins e de coisas que não quero passar novamente. Mas não pensem que eu sou só um baú cheio de más recordações e sentimentos agonizantes, porque eu sou muito mais que isso, tenho em mim também lembranças sinceras e serenas, lembranças de paz e de felicidade, momentos que parecem só existir nos filmes, mas que quem já viveu nunca diria isso. Então eu passo do fim de ano me forçando a lembrar só das coisas boas que me aconteceram, não somente nos últimos doze meses, mas nos últimos anos. Mesmo que minha vida continue assim, sempre os mesmos sentimentos e recordações, eu vivo feliz, porque sei que são eles que me dão força, para que eu sempre continue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário